Lisboa. Foto A.A.Bispo 2013. Copyright. Arquivo A.B.E.
Portugal ocupa uma posição primordial no âmbito dos estudos culturais desenvolvidos pela  Academia Brasil-Europa. Esse significado especial e fundamental reside na própria formação histórica do Brasil como país colonizado pelos portugueses e pelo significado da imigração portuguesa em período posterior.


A comunidade de língua possibilitou e possibilita estreitos elos, facilitando a comunicação e garantindo uma situação única de proximidade intelectual. Mesmo estudos culturais não explicitamente relacionados com Portugal dizem respeito à história cultural portuguesa, como no caso daqueles dedicados a expressões culturais do Brasil remontantes ao período colonial.


Em 1968, quando, após vários anos de trabalhos preparatórios, fundou-se a entidade voltada à renovação dos estudos culturais e que constitui hoje a Organização Brasil-Europa, as reflexões relativas a Portugal foram impulsionadas sobretudo pelo compositor português Jorge Peixinho, então atuante no Brasil.


Em várias oportunidades, esse compositor chamou a atenção para a necessidade de uma renovação profunda de perspectivas e do edifício de concepções nos estudos portugueses e luso-brasileiros. Esses seus intuitos renovadores vinham de encontro à necessidade sentida pelos pesquisadores da cultura popular no Brasil, que procuravam novos caminhos para o desenvolvimento refletido teoricamente da sempre estreita cooperação com pesquisadores portugueses de Etnografia e Folclore.


Em sessão realizada na Casa de Portugal de São Paulo, em 1970, deu-se início aos estudos das relações Brasil-Portugal dirigidos primordialmente ao exame de processos difusão cultural e de seus pressupostos.


Como então exposto, esses estudos relacionados com Portugal procuravam inserir-se, de forma atualizada, em correntes históricas de pensamento anteriores ao longo período marcado por concepções político-culturais de cunho nacionalista e autoritário vigentes sobretudo desde a década de 30 do século XX.


Lisboa. Foto A.A.Bispo 2013. Copyright. Arquivo A.B.E.
A entidade então fundada não se inseria, de forma explícita, na história institucional representada por organizações e centros fundados nesse períódo, no Brasil ou no Exterior. Um dos seus objetivos deveria ser justamente o de analisar o vir-a-ser, os trabalhos, as rêdes sociais e os edifícios de concepções e visões dessas instituições.


Em 1972, quando da introdução da disciplina da Etnomusicologia na área de Licenciatura em Educação Artística em São Paulo, relizou-se a primeira tentativa de configuração teórica de uma Antropologia Cultural de orientação musicológica adequada ao complexo cultural do mundo de língua portuguesa. Em 1973, realizou-se então uma primeira viagem de contatos e estudos a Portugal. Devido à situação política da época, não foi porém possível concretizar o plano de criação de uma organização conjunta de renovação teórico-cultural que abrangesse os dois países.


A partir de 1975, os estudos culturais Brasil-Portugal conduzidos nesse sentido tiveram a sua continuidade junto ao Instituto de Musicologia da Universidade de Colonia, Alemanha. Neles atuaram os pesquisadores portugueses Maria Augusta Alves Barbosa e Armindo Borges, que se manteriam nos órgãos diretivos da entidade até o presente.


Esses esforços marcaram aqui, dentro da própria universidade que possui um instituto português e brasileiro remontante à década de 30, a decisão de dar-se continuidade, também na Europa, ao desenvolvimento institucional renovador iniciado no Brasil e que explicitamente não se vê na tradição dos estudos luso-brasileiros configurados na época.


Também aqui prosseguiu-se com os trabalhos de desenvolvimento de Estudos Culturais de condução musicológica e de uma Musicologia de orientaçãõ teóríco-cultural adequados para o mundo de língua portuguesa.


Entre os diferentes complexos temáticos estudados no decorrer dos anos, salientam-se aqueles dedicados à linguagem simbólica das tradições portuguesas, às concepções e imagens da Antiguidade tardia e à mística medieval.


Após encontro realizado em Lisboa, em 1980, decidiu-se, em simpósio internacional efetuado em São Paulo, por sugestão de Luís Heitor Corrêa de Azevedo (UNESCO), que se criasse o seu centro de ação na Alemanha, dado o significado dos elos entre a Alemanha e os estudos do mundo de língua portuguesa no passado e a conveniência de se assim marcar claramente o início de uma nova fase, não inserida nessa continuidade institucional.


Lisboa. Foto A.A.Bispo 2013. Copyright. Arquivo A.B.E.
Após vários eventos preparatórios, registrou-se, em 1985, Ano Europeu da Música, o Institut für Studien der Musikkultur des portugiesischen Sprachraumes, primeira instituição dedicada a estudos culturais de condução musicológica para o mundo de língua portuguesa. Oficializou-se, assim, na Europa, o Centro de Estudos em Musicologia da entidade fundada em 1968.


A presença e a participação de pesquisadores portugueses foram de particular importância em vários eventos desde então realizados, salientando-se o Congresso Internacional do Rio de Janeiro (1992), o Colóquio sobre Antropologia Simbólica dedicado a S. Gonçalo de Amarante (1998), o Congresso Internacional "Música e Visões" (1999), o Colóquio Internacional "Dimensões Européias da Cultura Portuguesa" (2002) e o Colóquio Internacional de Estudos Interculturais (2004).


Em 2012, realizou-se ciclo de estudos em Lisboa dedicado mais especificamente aos fundamentos de processos culturais que relacionaram o Mediterrâneo ao Atlântico desde remota Antiguidade.


Esse complexo temático deu continuidade a estudos anteriores realizados no Mediterrâneo, na Madeira e em cidades da antiga Índia Portuguesa, em Macau, na Tailândia e na comunidade de ascendência portuguesa no Havaí.


No âmbito dos trabalhos visitou-se, entre outros, o Museu do Fado, analisando-se atuais tendências no estudo do gênero com aquelas desenvolvidas no Brasil de orientação teórico-cultural no início da década de 70.


Uma sessão especial foi dedicada à visita ao Panteão Nacional e aos mausoléus de membros da família real mais estreitamente relacionados com a história do Brasil. No mesmo ano, realizou-se uma visita à Sinagoga Portuguesa de Amsterdam, dando prosseguimento a estudos anteriormente dedicados a portugueses lusófonos e seus descendentes na história cultural em contextos globais levados a efeito nas antigas sinagogas de Cochim e Curaçao.


Em 2013, os trabalhos dedicados a processos Mediterrâneo/Atlânticos tiveram a sua continuidade em ciclo de estudos realizado nas ilhas de São Vicente e Santiago do arquipélago de Cabo Verde.






Materiais
Apenas os disponíveis nos sites da A.B.E.

(em elaboração)


  1. 100 anos de morte de Alfredo d'Andrade (1839-1915)
    Turim. O Borgo Medievale da Esposizione Generale Italiana de 1884 em Turim e o seu arquiteto português Alfredo d'Andrade em paralelos com São Paulo. Organalia 2015 de Turim pela Expo 2015 de Milão

  2. Europa, Brasil e o Pacífico do Norte na literatura de viagens. G. H. von Langsdorff (1774-1852) em Santa Catarina e no Alasca - University of Alaska

  3. Presença do Brasil em comunidades teuto-canadenses de Ontário. Mabel Emilie Krug (1902-1984) e a música em Berlin/Kitchener

  4. Massey Hall: Concerto de E. P. Johnson (1878-1959) e G. Novaes (1888-1984) (1924)

  5. A Legião da Mulher Brasileira e a direita social-nacionalista e católico-restaurativa na música. Concepções estético-musicais de Júlia Lopes de Almeida (1862-1934)

  6. Amirante e Mascarenhas: dimensões de nomes. As ilhas do Índico nas navegações, descobrimentos e missões dos portugueses - combate ao Islão e a conversão do rei das Maledivas sob D. Pedro de Mascarenhas (ca. 1484-1555)

  7. Nomes e relações do século dos Descobrimentos: „O romance de Diogo Soares“ e Martim Afonso de Souza (ca. 1500-1564/1571). Em continuidade a conferência no Museu Casa Martim Afonso em São Vicente/SP (2013).

  8. Cristianismo no Brasil e no Madagáscar. História missionária e estudos jesuíticos no Atlântico e no Índico

  9. Madagáscar no Rio: o relato de viagem de Ida Pfeiffer (1797-1858) elaborado por Oscar Pfeiffer (1858). História da música na esfera luso e brasileira em relações globais 2014 e 2015 pelos 30 anos de fundação do I.S.M.P.S. e.V.

  10. Águas do Atlântico, do Índico e Maria. Notre Dame de Flots em Ambatoloak e Nossa Senhora de Copacabana. Na festa de 2 de fevereiro na igreja de Na. Sra. de Lourdes dos Missionnaires Oblats de Marie Immaculée em Tamoasina

  11. M. Chantal (UFMG) e J. Dinelli (UFMG). Os pianistas Judith Ribas e Cardoso de Menezes: Portugal e Brasil a 4 mãos

  12. M. Chantal (UFMG) e J. Dinelli (UFMG). Partitura: Os Canários - Polca característica Op. 55 de A. F. Cardoso de Menezes

  13. Bairro do Pari - São Paulo (SP). O Convento de Santo Antonio em meio operário italiano e português da várzea entre o Tamanduateí e o Tietê: anti-secularização acompanhando a industrialização. A arquitetura do Ir. Felicianus Schlag OFM (1857-1923)

  14. Amparo (SP). Provincianismo e universalismo ultramontano de missionários alemães em regiões interioranas de cultura cafeeira e de imigração. Lembrando a Liga da Modéstia Cristã para a defesa da moral, dos costumes e do recato feminino. São Benedito!

  15. Santo Amaro da Imperatriz (SC). Águas termais e o Espírito Santo na cultura açoriana
    e na renovação retroativa do Catolicismo pelos Franciscanos alemães. Lembrando o Pe. Xystus Meiwes (1853-1926) - homem simples da Vestfália e alma de criança

  16. Música sacra do tempo colonial e a processualidade do Colonialismo. Focalizando anônimos do Vale do Paraíba e André da Silva Gomes. Impulsos para o presente de festa do Espírito Santo em São Luís do Paraitinga (1981)

  17. A internacionalização dos estudos culturais já há muito começou: As primeiras conferências de pesquisa de música e Educação Artística no espaço cultural luso-brasileiro a partir de 1975 na Alemanha. Crédito e Débito - Época de balanços e reajustes II

  18. Uma programática de origem luso-brasileira em anos de mudanças geo-político-culturais. Jorge Peixinho (1940-1995) como referencial nas complexas relações Portugal-Alemanha-Brasil

  19. Maria Augusta Alves Barbosa (1913-2013) e o estudo de processos culturais em relações internacionais:

  20. 1.Uma mulher como personalidade-chave despede-se. Aproximações a seu caráter, proceder científico e pensamento a partir de seus mentores alemães e antecessores portugueses

  21. 2.Vincentivs Lvsitanvs: Um Compositor Português e Teórico-Musical do Século XVI no seu significado para os estudos culturais

  22. 3.História e visões de imagens históricas: mutabilidade de enfoques. Diferenciando assertivas de Jacob Christoph Burckhardt (1818-1897)

  23. 4.A música na sua perdida unidade como prisma de visão da vida e o ver a música em vínculos e relações. Projeto de Reforma do Curso de História da Música do Conservatório Nacional de Lisboa discutido na Alemanha

  24. 5.A Arte como objeto de conhecimento histórico e a Renascença como criadora de uma base de visões. Ressonâncias de Herman Friedrich Grimm (1828-1901)

  25. 6.O fluir de problemas. O conceito de corrente nas Ciências Musicais de Portugal: seus fundamentos filosóficos em Wilhelm Windelband (1848-1915) em paralelos com a orientação a processos em propostas brasileiras

  26. 7.Ordenação da História e paradoxias na distinção do conservador ou do avançado em expressões e processos. Resíduos da doutrina dos Círculos Culturais (Kulturkreislehre) e sua crítica em discussão luso e brasileira

  27. 8.O revelar o singular e o individual em linhas de vida no decorrer histórico e a qualificação de "portuguesa" e "brasileira" da cultura, da arte e da música. Repercussões da Morfologia Cultural de Arnold J. Toynbee (1889-1975)

  28. 9.Análise do tempo e não sínteses e atribuições de sentidos ao passado. O subjetivo e o irracional no procedimento histórico

  29. 10.O português Vincente ou o "Vincente Lusitano" na esfera da Reformação na Europa Central. Estudos contextualizadores e empatia em situações transversas. Recordando viagem a Stuttgart

  30. 11.Focalizando a Diocese norte-africana de Ceuta I e a cidade de Olivença. Frei D. Henrique Soares de Coimbra (c.1465-1532) no Brasil, Índia e como Bispo de Ceuta

  31. 12.Focalizando a Diocese norte-africana de Ceuta I e a cidade de Olivença II. A conquista de Ceuta e a análise de visões como objeto de estudos - brancos e negros, galos e mouros, Cristãos X Mouros

  32. 13.As Lamentações de Jeremias na abertura das reflexões voltadas à pesquisa musical no espaço cultural luso e brasileiro em Colonia, em 1975

  33. 14.Discussão na Alemanha do Plano Nacional de Educação Artística em Portugal à luz da experiência brasileira em Educação Artística e da recepção de Herbert Read (1893-1968)

  34. 15.Um Parecer crítico ao Projeto de Proposta de Lei de Bases do Plano Nacional de Educação Artística de Portugal: estudos científicos, formação artística e Licenciatura de curta duração

  35. 16.A questão das equiparações de escolas de formação artística à Universidade. Uma circular a universidades e conservatórios europeus

  36. Pe. Dr. Armindo Borges: 80 anos (2013). Dos Açores a Roma, Alemanha e Portugal, no Canadá e no Brasil:

  37. 1.Cultura e música no Seminário Episcopal de Angra do Heroísmo em época de crescente influência norte-americana e mudanças sócio-culturais nos Açores. Um plano para a Vila da Praia da Vitória: "A música a serviço da cultura e educação dum povo" (1961)

  38. 2.O Instituto Cultural dos Açores de Ponta Delgada e as primeiras Semanas de Estudos dos Açores. Um açoriano no Pontificio Istituto di Musica Sacra (Roma) nos anos marcados pelo Concílio Vaticano II e pelo fim do império colonial português

  39. 3.De Roma à Alemanha em anos pós-conciliares: da música prática à Pesquisa e à Missão Portuguesa de Colonia. Visitas à comunidade lusófona de Toronto/Missasauga

  40. 4.Atuação no Instituto de Estudos da Cultura Musical do Mundo de Língua Portuguesa e em eventos em Colonia e no Rio de Janeiro

  41. Armindo Borges. Dos estudos de contextualização histórico-cultural de Duarte Lobo (156?-1646 ), mestre-de-capela da Sé Metropolitana Patriarcal de Lisboa (1974-1976):

  42. 1.A Côrte em Évora como centro cultural, suas dimensões e irradiações

  43. 2.A Igreja em Évora como centro cultural, suas dimensões e irradiações

  44. 3.A Universidade em Évora como centro cultural, suas dimensões e irradiações

  45. 4.Música e músicos em Évora como centro cultural, suas dimensões e irradiações

  46. Povoamentos e depovoamentos, colonização alemã e de-integração indígena no Espírito Santo no campo de tensões religioso-culturais entre colonos de Santa Isabel e açorianos de Viana

  47. A Liberdade como conceito crucial nos Estudos Culturais do mundo de língua portuguesa. O espírito inquisitório, o fanatismo e a intolerância implantados pelos pregadores

  48. A sinagoga portuguesa de Amsterdam como monumento da liberdade de de-conversão e o papel de imagens: o modêlo do Templo de Salomão do rabino português Jacob Judah Leon (1602-1675)

  49. "O objetivo do Estado é a Liberdade" segundo Baruch/Bento de Espinosa (1632-1677)

  50. A Natureza é perfeita e divina tal como é. Liberdade, cultura de afetos e alegria na condução da vida segundo Bento de Espinosa

  51. A irmandade "Árvore da Vida" (Ets Haim) da sinagoga portuguesa de Amsterdam e sua biblioteca. Procura de saber, ensino e esclarecimento em processos culturais de judeus lusófonos: Felix Libertate!

  52. Complexo imagológico da fundação de Lisboa na figura do Navegador subjacente a referenciações com as Escrituras. As Saudades de retorno de Ulisses e o Fado da nativa

  53. O Portal da Conceição Velha da Baixa de Lisboa sob a perspectiva das relações Navegação/Comércio. A Misericórdia ao homem navegante no mar da vida e a Conceição na tensão tipológica Igreja/Sinagoga

  54. Itália-França-Espanha-Portugal-Brasil. A perspectiva científica nos Estudos Culturais a serviço do Esclarecimento. Dos fundamentos sistêmicos de processos culturais euro-mediterrâneo-atlânticos e suas extensões transoceânicas. 500 anos da morte de Americo Vespucci (1451-1512)

  55. Valter Cassalho, Comissão Paulista de Folclore. Culto fálico sobrevive e ganha força em Amarante - Portugal

  56. Lofotes. As aldeias de pescadores mais a Norte do globo na elucidação de elos comerciais internacionais e obscuros costumes alimentares. Os caminhos do bacalhau à Itália, a Portugal e ao Brasil e a imagem do Piscis Australis

  57. China e Brasil: potências emergentes em processos globais. Análises culturais no esclarecimento de desenvolvimentos e mentalidades. Ciclos em Beijing/Peking e Manchester pela participação da China na Feira de Hannover 2012

  58. Comércio marítimo em processos culturais sino-ocidentais. Encontros de expressões tradicionais de navegantes chineses e portugueses: a virgem das águas e rainha dos céus no litoral da China. 10 anos de geminação Ningbo-Santos

  59. O Budismo aplicado nas relações sino-ocidentais: possibilidades e problemas de um caminho de aproximação cultural. Compaixão Divina no Extremo Oriente e Nossa Senhora da Misericórdia. Guanyin no Templo Lama do Palácio da Paz e Harmonia

  60. A Gruta de Camões como Sábio por Excelência e Confúcio do Ocidente em paisagens sino-inglesas e em transfigurações românticas. Da Literatura à Filosofia intercultural nos estudos de relações China/Ocidente. Colina da Elegância Acumulada do Jardim Imperial

  61. A mulher nas relações sino-européias. Direitos Humanos e imagens: a "lília dourada" dos pés aleijados e a virgem das águas doces e salgadas na China e no Brasil. Local de emparedamento da concubina imperial. Cidade Proibida

  62. O lúdico como tarefa de análises a serviço do entendimento sino-ocidental. Da Ópera de Peking à Paródia à Bastiana em Macau, à Negra Catarina no Brasil e aos Christy Minstrels. Teatro Liyun, Beijing/Peking

  63. Após 15 anos de trabalhos do ISMPS em Hong Kong e Macau (1996) pelo término de soberanias européias na China e do Padroado Português do Extremo Oriente

Mudanças de referenciais culturais de portugueses no Extremo Oriente à época da expansão do colonialismo britânico I. Música sacra em Hong Kong
Mudanças de referenciais culturais de portugueses no Extremo Oriente à época da expansão do colonialismo britânico II. Música sacra em Macau
Arte lírica na China e o ensino de canto de orientação italiana de portugueses em Hong Kong: Il Guarany e Salvator Rosa de Antonio Carlos Gomes (1836-1896) em Kowloon

  1. Relações China/Europa/Américas sob o signo do comércio mundial e do Liberalismo. Transformações de configurações geográfico-culturais e sistemas referenciais

Judeus na internacionalização e profissionalização da vida musical em centros comerciais da Europa, das Américas e da China. O discípulo de Ignaz Moscheles (1794-1870) Rod Sipp, o D. Quixote do piano
Heroísmo e sentimento, patriotismo e internacionalidade: o papel da Polonia. Chopin em Manchester e na China e o acariciar teclas de Anton de Kontski (1817-1899): O Despertar do Leão e a Marcha a Camões
Migrações a centros de comércio e mudanças de práticas tradicionais. Cavalgadas do Divino de zonas rurais inglesas à música de banda em Manchester e na integração de portugueses no universo britânico de Hong Kong
O comércio musical de portugueses em Hong Kong nos estudos culturais do Popular internacionalizado na China. Flauta, bandolim e guitarra, maxixes, tangos e polcas

  1. Descobrimentos e revelações, renovações e restaurações. Paradoxias de Novos Mundos e edifícios historiográficos no exemplo de Pedro Fernandes de Queirós (1565-1614), o descobridor português da Oceania

  2. Tailândia, Vietnam, Malásia e Brasil: internacionalizações e ciência em processos político-culturais globais. Sob o signo da amizade: 500 anos de elos do Sião com o Portugal no seu significado para estudos euro-brasileiros

  3. Veneza do Oriente I. Partindo de imagens e pensando em Recife: a Sereníssima no Adriático e a cidade às águas do Menaam - Cultura/Natureza, comércio e relações internacionais. Museu das barcas reais, Bangkok

  4. Veneza do Oriente II. Memória, imagens e vigência de Ayutthaya em Bangkok. Portugueses no Sião e processos internacionalizadores. Museu das barcas reais, Bangkok

  5. Menam - mãe das águas. A Imaculada Conceição e o Rosário na cultura luso-siamesa. Espiritualidade dominicana e intercomunicação de imagens: chineses na "cidade dos anjos". Igreja do Rosário/Kalawar, Bangkok

  6. Terra que se eleva das águas que correm, a montanha e o eixo no edifício de concepções e imagens do Sião e do Ocidente. Wat Arun, Igreja da Santa Cruz e Calvário, Bangkok

  7. Tradições religiosas ocidentais e asiáticas em processos internacionalizadores I. O culto mariano na Malásia e seus fundamentos na ação dos portugueses em Malaca. Catedral da Assunção, George Town, Penang

  8. College and Assumption University, Bangkok. O inglês como idioma, elos culturais com a França e e legado português. Internacionalização de estudos e inserções histórico-político-culturais de instituições

  9. Antonio Gonçalves Dias (1823-1864) - tradutor de F. Schiller: indianismo brasileiro e cultura alemã da Europa Central

  10. O "ciclo escandinavo-germânico" nos estudos do Romanceiro em Portugal e no Brasil. Reflexões no local da tomada da terra islandêsa e da saga de Egil

  11. Goa e Cochim em olhares euro-brasileiros. De Vasco da Gama aos quatro leões asiáticos: referenciais e suas transformações. Trabalhos da A.B.E. na Índia pelos 500 anos da "reconquista" de Goa por Afonso de Albuquerque (1510)

  12. No local de sepultamento de Vasco da Gama em Cochim:
    mudanças de referenciais político-culturais na história. Fort Kochi e o Franciscanismo na história das relações indo-européias. Estudos indo-antonianos

  13. O Brasil como "Terra de Santa Cruz" e a veneração da cruz na Índia. O juramento da Coonan Cross de Cochim como reação à latinização

  14. Holandeses no Nordeste do Brasil e em Cochim: monumentos indo-holandeses e imagens de cidades e trajes nos Países Baixos do século XVII

  15. Lusitanidade e o culto a Santo Antonio em Kerala nas suas relações com São Jorge e São Sebastião. Estudos indo-antonianos

  16. Judeus no Malabar em suas inserções em processos histórico-culturais desencadeados pelos portugueses - brancos, pretos e marrons

  17. Problemas de referenciações do Catolicismo dos "cristãos de São Tomé" em época pós-colonial: União do Malabar no Sínodo de Diamper (1599) e as origens em época apostólica

  18. Os "cristãos de São Tomé" sírio-jacobitas do Malabar e a revitalização da ortodoxia na afirmação de orientalidade perante a militância cristã ocidental

  19. As águas do Mandovi correndo ao Mar Arábico e o culto à Imaculada Conceição na Índia: Sereia, terreiros e ninfas em Goa

  20. A "Reconquista" assistida dos altos. Leitura da linguagem da arquitetura e da arte do Rosário em Goa - Rosa mystica, Turris eburnea, Vas spirituale em expressão luso-oriental

  21. Ethos de Goa e tradição hospitalar: Santa Catarina de Alexandria e a vitória sobre uma filosofia de vida mercantil do Oriente

  22. Goa como centro de jurisdição eclesiástica nas Índias Orientais e o significado arquitetônico e histórico-musical de sua Sé Catedral

  23. Da humildade e pobreza à suntuosidade das expressões franciscanas: O "império do Espírito Santo" em Goa

  24. Capitão e cabeça: a mente iluminada como guia e a cura. Santo Antonio, Cosme e Damião e Nossa Sra. das Febres. Estudos indo-antonianos

  25. Estudos jesuítas e Estudos Culturais em relações Brasil-Índia: aspectos de um debate

  26. Estudos xaverianos em perspectivas teórico-culturais: questões de cultura memorial e métodos de militância. No mausoléu de S. Francisco Xavier (1506-1552)

  27. Estudos jesuítas e análise de processos performativos e músico-educativos. Colégio de São Paulo - Brasil e Goa

  28. O Barroco na Índia no campo de tensões entre o Padroado Português e a Propaganda Fide. Recepção religioso-cultural romana em Goa e o clero nativo dos Teatinos

  29. Montefalco (Umbria) e Monte Santo de Goa: Eremitas Agostinhos no Oriente. De procissões e motetos dos Passos no mundo colonial português

  30. Do numinoso de terras baixas assoladas pelo monsum e do sentido de associações fálicas da Festa dos Pepinos em Santana de Talauli(m) - monumento do Barroco indo-europeu

  31. Estudos indo-portugueses em Cochim em olhares do Brasil: focalizando Pedro Álvares Cabral 

  32. Museologia e de-europeização nos estudos culturais do Cristianismo em contextos pós-coloniais. Mudança de referenciais: de Santiago a São Tomé

  33. Economia e concepções político-culturais nos estudos do mundo de língua portuguesa. Revendo elos entre colonialismo e propaganda no nacionalismo autoritário. Ciclo de estudos Portugal-África-Alemanha-Brasil da A.B.E., Frankfurt a.M. e outras cidades

  34. Mercado e finanças nas suas relações com Anschauungen - questões imagológicas. São Bartolomeu no Sacro Império Romano Germânico e na história das relações entre a Alemanha e Portugal

  35. A mulher e o movimento feminino alemão nas suas inserções em correntes nacionalistas e colonialistas nos estudos do mundo de língua portuguesa. O "Intercâmbio Cultural Teuto-Português" de Elise Hermine von Hoppfgarten (1869-?) e o círculo de Hedwig Heyl (1850-1934)

  36. Mathilde Auguste Hedwig Fitzler Kömmerling (1896-1993) e o papel do Brasil no movimento feminino alemão. Da questão do "pré-descobrimento português do Brasil"

  37. Luise Ey (1854-1936), Carolina de Michaelis (1851-1925), o Instituto Alemão de Coimbra e Bernard Schädel (1878-1926), o "Apóstolo de Portugal na Alemanha". Comemorações sob o signo da política de intercâmbio luso-alemão em 1934/35 (I)

  38. Egmont Zechlin (1896-1992) e a história dos Descobrimentos nos seus elos com o debate historiográfico alemão: os 500 anos da Política Colonial. Comemorações sob o signo da política de intercâmbio luso-alemão em 1934/35 (II)

  39. Hans Friedrich Blunck (1888-1961) e Oswald Theodor Barão von Hoyningen-Huene (1885-1963): política da escrita nacionalsocialista nas suas relações com os estudos do mundo de língua portuguesa. Encontro internacional em Lisboa e homenagem no túmulo de Camões (1935). Significado político-cultural da questão de elos luso-nórdicos num pré-descobrimento da América

  40. La mise en valeur des Colonies Portugaises de Elemér Böhm, a síndrome da internacionalização de territórios e suas consequências. Relações entre Direito Internacional e Estudos Culturais na análise de processos coloniais

  41. O "problema colonial" e a Liga das Nações - conjecturas de um mandato alemão em Angola e Moçambique e da criação de um estado judeu em Angola, redistribuições e permutas

  42. Da História das Ciências como objeto de estudos culturais e dos Science Studies. Revendo o III Congresso da Academia Internacional de História das Ciências em Portugal (1934) e a participação do Brasil: Francisco Jaguaribe Gomes de Mattos

  43. Reconstrução colonial portuguesa e revisionismo colonial alemão. Ernst Gerhard Jacob (1899-1974): Portugal como modêlo de uma Colonialística alemã e a "Kolonialschuldlüge" de Heinrich Schnee (1871-1949)

  44. Política colonial sob perspectiva do desenvolvimento dos transportes aéreos. Fischer von Poturczyn: África como "periferia" da Europa

  45. A "Comunidade de Estudos Teuto-Portuguesa" e o intercâmbio acadêmico Alemanha/Portugal nos anos trinta. 260 portugueses em Hamburgo e Berlim. A. da Veiga Simões (1888-1954) e Alfons Hilka (1877-1939)

  46. Hitler e as relações Portugal/Alemanha: uma esquecida audiência a jornalistas portugueses (1935)

  47. Análises alemãs da economia nas colonias portuguesas nos anos 30  e suas relações com os estudos culturais portugueses e brasileiros - "Estrangeirização das colonias" e vontade nacional. Sir Robert Williams (1860-1938)

  48. Ciclo luso-africano-teuto-brasileiro na região de Ennepe-Ruhr pelos 125 anos de Gevelsberg, cidade natal de Willem Jaspert (1901-1941)

  49. I. "Memória de África"? Significado e problemas de fontes fotojornalísticas do passado totalitário nos estudos das relações Portugal-África. 75 anos de "Aventuras e Vivências em Angola", de Willem Jaspert

  50. II. Imagens alemãs de Angola : Luanda, Lobito, Amboim, Katenga, Canda

  51. III. Colonos e "Deutschtum" em Angola: Fazenda Capungo e a Francônia em terras Kimbundo

  52. IV. Buren em Angola, tradições européias e mudanças culturais: a última máscara dos Kaluimbi

  53. V. Situações multiculturais em ferrovias angolanas - uma família austríaco-brasileira

  54. Mem de Sá: Herói épico

  55. Sobre a edificação do Espaço Português em Honolulu, Havaii

  56. Monumentos e murais: consciência histórica, trompe-l'oeil e multiculturalismo canadense. O africano-português Mathieu da Costa em construções históricas

  57. Do descobrimento do Canadá pelos portugueses - „Terra do Labrador“ e "Terra dos Bacalhaus"

  58. Direitos Humanos, Estudos Culturais e História Diplomático-Cultural. Sudeste da Ásia-Brasil: Singapura. Preparatórias à passagem dos 500 anos das conquistas de Goa e de Málaca pelos portugueses

  59. Afonso de Albuquerque, "O Grande" (1453-1515) e a conquista de Malaca (1511) no campo de tensões entre o Cristianismo e o Islão. Questões de interpretação de ato da história diplomático-cultural no contexto Sudeste da Ásia-Portugal

  60. Islão no Sudeste da Ásia e imagens européias do Oriente. Papel do sultão der Singapura na diplomacia cultural inglêsa em cotejo com a portuguesa de Afonso de Albuquerque em Málaca

  61. Estética e Direitos Humanos: Realismo nas artes asiáticas e Simbólica. O Merlion de Singapura e a imagem da sereia na Ásia, na Europa e no Brasil

  62. A mãe-d'água e rainha dos céus na imigração chinesa em Singapura à luz de imagens e concepções da tradição portuguesa e brasileira

  63. Questões de Direito na história cultural e eclesiástica dos portugueses em Málaca-Singapura

  64. Cultura/Natureza e questões de Direito nas relações Brasil-Sudeste da Ásia: 1) Alfred Russel Wallace (1823-1913); 2) José d‘Almeida Carvalho e Silva (1784-1850). Antecedentes à introdução da Hevea brasiliensis nas colonias britânicas em desrespeito a normas de procedimento nas relações internacionais

  65. Missions Étrangères e Padroado Português: problemas de jurisdição missionária e de inserção cultural

  66. A Baía de Guanabara no De Gestis Mendi de Saa

  67. Havaí nos estudos músico-culturais relacionados com Portugal e o Brasil. Pelos 25 anos da oficialização alemã do Instituto de Estudos da Cultura Musical do Mundo de Língua Portuguesa (ISMPS e.V.)

  68. Problemas teóricos dos estudos lusológicos em situações de perda da lusofonia: prioridade da língua? Memória, continuidades e transformações culturais

  69. Bandeira e Coroa do Espírito Santo em Honolulu: a linguagem visual na manutenção de elos de identidade e na diferenciação cultural. Expressões açorianas no Pacífico e no Brasil

  70. Católicos portugueses no universo protestante do Havaí. Relações euro-havaianas na história missionária e Damian De Veuster SSCC (1840-1889) no seu significado atual na luta contra estigmatizações

  71. Imigrantes do Atlântico português à época do apogeu cultural da monarquia havaiana sob Kalakaua (1836-1891) e Kapiolani (1834-1899): progresso e tradição

  72. A música de banda no Havaí nos seus elos com o Império Alemão e com a imigração portuguesa. Significado para a pesquisa da banda de música no Brasil

  73. Ukelele, Machete, Cavaquinho. Transformações inter-e transculturais da guitarra e instrumentos afins no Havaí e dimensões globais de sua difusão

  74. Imigrações e relações havaiano-japonesas e havaiano-chinesas sob a perspectiva dos estudos culturais Portugal-Japão- e Portugal-China-Brasil. Subsídios para correções da geografia mental na pesquisa intercultural

  75. Imigrantes portugueses e seus descendentes no processo de americanização e a sua dimensão doutrinária no mormonismo: o Centro Cultural da Polinésia e a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

  76. Navegações na história cultural e história cultural das navegações. Do descobrimento português do Mar do sul e suas dimensões

  77. Brasil na Europa, Portugal na Alemanha, Brasil na Alemanha e congêneres: riscos de conotações totalitárias em expressões. "Leitores" e a questão da representação de nações entre outras nações. Relendo artigo de Manuel de Paiva Boléo (1904-1992) sôbre Portugal em órgãos nacionalsocialistas (1935)

  78. Sinergia e/ou fortalecimento de grupos com elos políticos no âmbito das relações entre a Alemanha e os países de língua portuguêsa - anos 30

  79. Propaganda, informação e intercâmbio ciêntífico-cultural. Interferências entre a História Política, História da Diplomacia Cultural e a História de Processos Culturais.

  80. O Acordo Cultural Luso-Brasileiro no seu contexto histórico-político-cultural (1941)

  81. Teses sobre o Brasil e Portugal na Alemanha

  82. Um poeta do neo-realismo: Veiga Leitão.

  83. Mare Nostrum - Lago Nosso. Política do Atlântico dos anos trinta e o seu edifício teórico-cultural

  84. Os Hohenzollern e a Casa de Saxe-Coburg. Alemanha-Portugal-Bélgica-Bulgária

  85. D. Carlos I° na história cultural das relações internacionais

  86. Questões de Difusão: mare clausum/mare liberum

  87. 65 anos do Congresso Luso-Espanhol do Porto. Problemas das relações entre Ciência, Cultura e Política na História Político-Cultural do Autoritarismo: Antropologia bio-étnica e a questão da arianização ou do reaportuguesamento do Brasil

  88. História política e história das instituições científico-culturais: O Instituto Luso-Brasileiro de Alta Cultura, a "alma da raça" e a pátria virtual

  89. Representação esférica e questões do Conhecimento. 500 anos da morte de Martin Behaim

  90. Concepções historiográficas, exame crítico e teoria: "Deixar que os fatos falem por si próprios com a sua incontestável eloquência". Manuel Pereira Peixoto d'Almeida Carvalhais (1856-1922): 150 anos

  91. Portugueses no Luxemburgo: Maria Anna do Carmo de Bragança

  92. Madeira. Eventos pelo acordo de geminação Funchal/Santos e pelas comemorações dos 100 anos do Teatro Baltasar Dias. Homenagem a Luiz Peter Clode

  93. Luso-brasileirismo, ítalo-brasileiros e mecanismos performativos I: representações teatrais e revistas. Nicolino Milano. 100 anos do Fado Liró

  94. Francisco de Andrade: 150 anos. Presença de Portugal na história cosmopolita da Europa

  95. Duas revistas da República Portuguesa: a Águia e a Seara Nova

  96. O santo ferreiro e o resgate de escravos: Eloi na França, em Portugal, na África e no Brasil

  97. Portugueses na Índia de Akbar e o caminho místico no diálogo interreligioso

  98. Da perspectiva hindú na história cultural indo-islâmica e o mundo português

  99. Mediação cultural Oriente/Ocidente. Rotas terrestres e pousos de caravanas

  100. Saudade em Portugal e no Brasil e a Mística da Saudade no universo indo-islâmico

  101. O Convento da Graça de Torres Vedras. A comunidade eremítica e o património

  102. A educação humanística de José de Anchieta

  103. Pe. José de Anchieta, S.I. A formação do Brasil colonial

  104. As personagens n‘O Senhor do Paço de Ninães

  105. Sequeira Costa

  106. Hagio-historiografia nas relações entre o mundo bretão e a universo português do Oriente - Dionysius a Nativitate Domini OCD (Pierre Berthelot) e Redento da Cruz

  107. Presença Portuguesa em São Paulo

  108. A Chegada da Corte Portuguesa ao Brasil. Contexto Político

  109. Chácara do Barão do Serro. Patrimônio cultural: causas da degradação e sustentabilidade

  110. Órgão Arp Schnitger (1701) no Mosteiro Crúzio de São Salvador, Moreira da Maia.

  111. Rio de Janeiro: Convento de Santo Antonio. Sabedoria/Cultura e Mística antoniana

  112. Sabedoria/Cultura e ideais monásticos. 25 anos dos Simpósios Internacionais "Música Sacra e Cultura Brasileira"

  113. Seminário: Espanha, Portugal e América Latina nos estudos culturais

  114. Polifonia e sociedade. Questões de sentido e problemas religiosos atuais.

  115. Recepções, hibridismo e representação na arquitetura teatral. Reflexões no Teatro Baltasar Dias, Funchal

  116. Conservatório de Música e Artes da Madeira

  117. Formação de identidades na África lusófona e estudos culturais nas relações Angola/Moçambique/Brasil

  118. 50 anos de vida profissional do Mtro. Dr. Manuel Ivo Cruz

  119. Memória e museologia de judeus portugueses no Caribe. Museu da sinagoga de Curaçao

  120. Relações culturais Açores/Brasil: Espírito e música - Documentação histórico-musical. Comemoração dos 25 anos da Comunidade Portuguesa de Colonia

  121. Documentação histórico-musical indo-lusa. Primeira publicação de obra do passado musical de Goa. Biênio comemorativo dos 500 anos da viagem de Bartolomeu Dias

  122. Extremo Oriente/Ocidente e Brasil. Documentação histórico-musical do Oriente português. Problemas da lusofonia no Oriente e o canto em "papiá cristão"

  123. Referencial da cultura ocidental nas tragédias de São Tomé e em representações populares do Brasil . Comemorações de Baltasar Dias

  124. Francisco de Carvalho e Rêgo e a reflexão musical no Oriente português

  125. Música de Portugal e do Brasil em Bibliotecas Alemãs: Hino Constitucional de D. Pedro I°

  126. "Novo estilo de cantar os Reis" : Documento proveniente do Rio de Janeiro (1818) e conservado em Lisboa

  127. Malta, laços históricos com Portugal - o grão-mestre Manuel Pinto da Fonseca

  128. Atualidade dos relacionamentos internacionais e a musicologia no mundo de língua portuguesa

  129. O comércio português, a história das bandas de música e os pianistas amadores

  130. A. F. de Castilho e F. N. dos Santos Pinto: Significado dos Açores na História da Educação Musical: Estréias Poético-Musicais (1853)

  131. Materiais para a História da Educação Musical no Mundo de Língua Portuguesa (I)

  132. M. Ramos - Pesquisa da música tradicional e legislação portuguesa da Educação Musical: A Musica Portugueza (1892)

  133. A. Bensaúde - Darwinismo e canto: Uma concepção evolucionista da música (1905)

  134. A Lopes Vieira - Conferência sobre Canto Orfeônico no Teatro da Republica (1916)

  135. Cesar Borges- Canções a várias vozes (1888)

  136. 1492 no contexto luso-atlântico-africano

  137. Presença da romana cantilena no Brasil

  138. Saudação da Comissão Municipal dos Descobrimentos de Lagos

  139. Materiais para o estudo do culto a São Gonçalo de Amarante em Portugal

  140. Der Sankt-Gonçalo-Tanz: Eine Einführung (1979)

  141. Ofício de São Gonçalo do Amarante de André de Resende: Papel de uma produção litúrgico-musical na estrategia da Contra-Reforma

  142. Dança de São Gonçalo em Bom Jesus dos Perdões

  143. São Gonçalo beim Internationalen Symposium 1989

  144. Musik in der Begegnung von Abendland und Orient bei der Reise von Vasco da Gama

  145. Die Vokalpolyphonie in Portugal von den Anfängen bis zur goldenen Epoche und ihre Ausstrahlung in Brasilien

  146. Alguns reflexos de música litúrgica portuguesa no Brasil Colonial

  147. Imagens da música sacra em Portugal na primeira metade do século XVIII

  148. Visões e perspectivas da investigação da música e personalidade de Marcos Portugal (1762-1830)

  149. Considerações sobre as relações entre o Brasil e Coimbra

  150. Brasil como tópico, Brasil como espelho, Brasil como argumento: As relações do compositor Fernando Lopes-Graça com a cultura brasileira

  151. Música Além Atlântico

  152. Recepção da Comunidade Portuguesa de Colonia

  153. São Gonçalo do Amarante: Um santo de causas sociais. Rogai por nós! / São Gonçalo do Amarante: Ein Heiliger sozialer Angelegenheiten. Bete für uns!

  154. Perspectivas profissionais de músicos portugueses na época dos Descobrimentos

  155. A música na documentação histórica portuguesa respeitante ao Brasil: alguns elementos

  156. Os Beneditinos portugueses e o voto do "Passar o mar": A música nos mosteiros do Brasil

  157. Língua portuguesa: Evolução em duas latitudes

  158. Memória e música no método de transformação cultural - para a reconstrução da História das Mentalidades dos primeiros tempos: José de Anchieta S.J.







 











Lisboa 2012. Arquivo A.B.E.
Fotos A.A.Bispo
©
 

BRASIL-EUROPA
www.brasil-europa.eu

Organização de estudos de processos culturais em relações internacionais (registrada 1968)
Academia Brasil-Europa

Direção: Prof. Dr. Antonio Alexandre Bispo

©

ESTUDOS CULTURAIS EUROBRASILEIROS RELACIONADOS COM

PORTUGAL

 

Portal (português)     Portal (deutsch)      Revista     Contato     Convite     Impressum     Estatística     Atualidades