Minas Gerais. Foto A.A.Bispo©


Orientação: análise de processos e procedimentos refletidos, inter- e transdisciplinares


Os trabalhos da Academia Brasil-Europa relacionados com Minas Gerais remontam aos anos que levaram à fundação, em 1968, da entidade que constitui hoje a Organização Brasil-Europa de estudos teóricos de processos inter- e transculturais e estudos culturais nas relações internacionais.


Os trabalhos que tinham como escopo a renovação teórica dos estudos culturais através de um direcionamento da atenção a processos, superando limites interdisciplinares, sobretudo aqueles entre a história e a pesquisa empírica da cultura, mostraram desde cedo o significado de Minas Gerais para o desenvolvimento das reflexões voltadas às relações entre o passado e o presente, entre correntes de tradição e renovação.


   
Minas Gerais. Foto A.A.Bispo©


Significado do Barroco Mineiro e o Colonial como época e processo


Sobretudo nas áreas da música e da arquitetura, o passado colonial de Minas Gerais assume indubitavelmente uma relevância excepcional no contexto histórico-cultural do país e da América Latina em geral.


Percebeu-se, porém, nos anos que levaram à fundação da entidade, a necessidade de uma reflexão mais aprofundada relativamente aos pressupostos teóricos do tratamento da arte ou da música barroca. A processualidade do colonialismo e a função nele exercida pelas expressões artísticas não podiam mais deixar de ser consideradas.


Estaria esse passado do século XVIII encerrado, ou haveria uma continuidade nos séculos seguintes? Quais seriam as tradições ainda cultivadas que se inseriam em correntes marcadas pela continuidade? Quais seriam as relações entre as esferas culturais, entre tradições de uma esfera por assim dizer erudita com aquelas estudadas pelo Folclore?


  
Minas Gerais. Foto A.A.Bispo©

Estudos empíricos contextualizados e históricos. Encontros em São João del, Sabará e Mariana

Essas e outras questões foram discutidas, sobretudo, no âmbito de uma primeira viagem de pesquisas e contatos realizada, em 1970, a São João del Rei, Congonhas do Campo, Ouro Prêto, Mariana, Belo Horizonte e Sabará.


Em São João del Rei, por ocasião da Semana Santa, houve a oportunidade de participação nas solenidades religiosas e em encontros na Lira Sanjoanense e outras entidades. As observações, as gravações e os documentos então levantados forneceram bases para vários trabalhos posteriores e para o desenvolvimento das discussões no centro de pesquisas da entidade em São Paulo, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e no Museu de Artes e Técnicas Populares da Associação Brasileira de Folclore.


Minas Gerais. Foto A.A.Bispo©
Prática de Execução segundo critérios históricos e teórico-culturais


Essas observações e pesquisas determinaram o debate relativo a conceitos de tradição, mudança cultural e interelações entre esferas sócio-culturais.


Forneceram bases para reexames de concepções relativas a estudos coloniais e de práticas de execução e interpretação, e que foram desenvolvidos em cursos superiores de Licenciatura da Faculdade de Música e Educação Artística do Instituto Musical de São Paulo.  Levou mesmo à introdução da área da Prática de Execução Musical, medida pioneira no país, entendida, porém, de forma renovadora não como Prática de Execução Histórica, mas sim segundo perspectivas que consideravam tanto a história quanto formas de interpretação e execução analisadas a partir da observação e.


Primeiro encontro sobre arquivística e museologia musical em Mariana


Em Mariana, realizou-se um primeiro encontro no Museu da Música da Arquidiocese, então em fase de instalação, tratando-se aqui de questões de arquivo e acervo patrimonial relativamente a fontes históricas e a documentos do patrimônio cultural vivo, estudado pela pesquisa empírica.


O Arcebispado e os pesquisadores Maria da Conceição Resende e José de Almeida Penalva permaneceram desde então estreitamente relacionados com os trabalhos  da organização.


Transformação cultural, meios de comunicação e construção de imagens


Em 1971, realizaram-se novos trabalhos em Minas Gerais, desta vez em Belo Horizonte. O seu escopo foi o da consideração de desenvolvimentos culturais mais recentes e contemporâneos, sobretudo na esfera da música popular, da então chamada cultura de massas e referentes a processos de comunicação. Os trabalhos efetuaram-se no contexto de um empreendimento que uniu músicos e pesquisadores de formação acadêmica e vários nomes da música popular brasileira.


  
A.B.E.


Barroco Mineiro e concepções do Americanismo. Encontro de Punta del Este


Em 1973, procedeu-se a um encontro com o Prof. Dr. Francisco Curt Lange em Puntal del Este. O objetivo da visita foi o de constatar o estado das pesquisas do passado musical brasileiro iniciado pelo pesquisador na década de trinta, visitar o seu acervo, examinar as partituras que conservava e tomar conhecimento do estado das discussões relativas ao Americanismo musical, por êle iniciado. Esse trabalho fundamentou estreitas relações que perduraram até o falecimento de Curt Lange, levando a vários encontros e projetos realizados com a sua participação, na Europa e no Brasil.


Projeto de edição dos Monumentos Músico-Culturais do Brasil


Dentre os projetos iniciados e desenvolvidos em vários encontros realizados na segunda metade da década de 70 deve-se salientar o da edição de uma Monumenta com as partituras levantadas pelo musicólogo, a ser acompanhada por coletâneas de estudos de autores brasileiros. Esse projeto deveria ser conduzido não segundo critérios da Musicologia Histórica convencional, limitados à reprodução fiel das partituras originais (Urtext), com correções para a prática, mas sim acompanhadas por estudos realizados segundo as novas concepções processuais sobre o colonialismo e mais amplas de patrimônio, e que constituiam, na verdade, um desenvolvimento pioneiro e inaugurador de caminhos do Brasil. Com o auxílio do Ministério das Relações Exteriores, os materiais da Monumenta chegaram a ser preparados para a edição. Problemas político-culturais e humanos do início da década de 80 impediram, porém, a sua concretização.


Estudos em rêdes internacionais. Programa Minas Gerais/Europa


A partir de 1974, passou-se a desenvolver um programa de levantamento de fontes e materiais relativos a Minas Gerais em bibliotecas e museus da Europa. Nos anos que se seguiram, realizaram-se vários encontros e debates com a presença de Francisco Curt Lange, Antonio A. Bispo, Maria Augusta Alves Barbosa, Cleofe Person de Mattos e outros pesquisadores brasileiros e portuguêses, juntamente com professores da Universidade de Colonia, entre êles o Prof. Dr. Karl Gustav Fellerer.


Nesses encontros, quando se tratou sobretudo da organização do trabalho internacional relativo a Portugal e ao Brasil, o passado musical de Minas Gerais foi sempre uma constante. Entre os musicistas que participaram dos eventos salienta-se a cantora Maura Moreira, também de Minas Gerais.


A discussão teórica foi desenvolvida, entre outros aspectos, sob o signo do conceito da recepção cultural e de suas reciprocidades. Levou a uma publicação destinada a servir de base aos debates do Simpósio Internacional "Música Sacra e Cultura Brasileira", realizado em São Paulo, em 1981. Essa publicação, que fora planejada para a ser a primeira de uma série que precederia e acompanharia a edição dos Monumentos Musicais, foi aberta emblematicamente com uma imagem de Ouro Preto.


Encontro internacional em Mariana de 1981


Nesse simpósio, vários representantes dos estudos culturais e musicais de Minas Gerais estiveram presentes, realizando-se primeiras apresentações de obras de compositores mineiros dos séculos XVIII e XIX. A seguir, após a fundação da Sociedade Brasileira de Musicologia, efetivou-se um encontro internacional no Museu da Música de Mariana, onde discutiu-se o plano da edição dos Monumentos e, entre outros aspectos, o desenvolvimento de trabalhos em conjunto com instituições internacionais, entre elas com o Pontificio Istituto di Musica Sacra, de Roma.


Obras mineiras executadas na Europa e seu papel intercultural na formação de jovens alemães


Na Europa, o primeiro Forum Brasil-Europa, acompanhado pela Primeira Semana de Música Brasil-Alemanha, em 1982, incluiu a apresentação e a reedição das Matinas de Natal do Pe. José Maria Xavier, de São João del Rei, publicada em Munique, em fins do século XIX. A obra foi preparada e executada por jovens alemães como abertura dos trabalhos de cooperação internacional na área da pedagogia de orientação intercultural.


Minas Gerais desempenhou, assim, um papel relevante nos debates que relacionam os estudos culturais, uma musicologia orientada teórico-culturalmente e a Educação sob o ponto de vista da aproximação entre as culturas.


Bases teóricas de interpretações adequadas de sentido de expressões culturais


Paralelamente a estudos de fontes históricas e da consideração de resultados de pesquisas histórico-culturais, desenvolveram-se pesquisas relativas a tradições populares de Minas Gerais. Esses estudos foram realizados em estreito relacionamento com o Museu de Folclore da Associação Brasileira de Folclore. Os esforços foram aqui dirigidos à compreensão adequada do significado de expressões culturais, em particular das Folias e dos Congos e Congadas.


Considerando-se estudos realizados em outras regiões do Brasil, passou-se a dirigir a atenção sobretudo à linguagem visual e à simbólica desses folguedos populares. Esses estudos apenas puderam ser desenvolvidos sob perspectivas amplas, considerando o patrimônio imagológico, tanto da Antiguidade como na sua interpretação cristã. Essa preocupação pelo uso refletido e adequado de princípios hermenêuticos, na tentativa de compreensão de sentidos intrínsecos às próprias expressões culturais, marcou os trabalhos que se seguiram, expostos em cursos, conferências e publicações.


Pesquisas histórico-musicais e músico-antropológicas


No I° Congresso Brasileiro de Musicologia, levado a efeito em São Paulo, em 1987, Minas Gerais esteve representada por professores e pesquisadores de Belo Horizonte, Ouro Prêto e outras cidades. Também no II° Congresso Brasileiro de Musicologia, realizado no Rio de Janeiro, em 1992, pesquisadores mineiros tiveram significativa presença.


No contexto do projeto internacional dedicado ao estudo das culturas indígenas, tomaram parte pesquisadores e instituições de Minas Gerais. Uma publicação contendo estudos de natureza etnomusicológica desenvolvidos nesse contexto foi apresentada na sessão da A.B.E. realizada na Sala do Índio do Palácio do Itamaraty, no Rio de Janeiro, em 2002. O escopo dessa reunião foi o de chamar a atenção, mais uma vez, para a necessidade de procedimentos dirigidos a processos históricos, reunindo pesquisas de fontes e observações empíricas, a serviço de princípios éticos e de Direitos Humanos.


Estudos mineiros no contexto das discussões teóricas da atualidade


Estudos concernentes à arquitetura, às artes plásticas e a diversas áreas do conhecimento, foram desenvolvidos de forma interrelacionada em vários circuitos culturais promovidos pela A.B.E. e seus institutos.


Dentre os mais recentes, salienta-se aquele realizado em 2008 e que foi dedicado sobretudo a questões atuais da discussão teórico-cultural e de Ética, tratadas contextualizadamente em várias cidades de Minas Gerais, entre outras em Diamantina, Serro, Ouro Preto, Mariana, Barão de Cocais, Santa Bárbara e no colégio do Caraça.


Universitários europeus foram levados a ocupar-se com temas relativos a Minas Gerais em vários seminários desenvolvidos nas universidades de Bonn e Colonia, assim como em colóquios da A.B.E.. Em cursos, conferências e em trabalhos acadêmicos foram considerados também expressões culturais contemporâneas de Minas Gerais. Em eventos da A.B.E., na Alemanha e no Brasil, participaram músicos mineiros, devendo-se aqui salientar frequentes apresentações de Maria Bragança com o „Alma Barroca“.




Publicações

relacionadas com os trabalhos
(em elaboração)

Bispo, A.A.,"Tradição, expressão espontânea e prática de execução (1971), Brasil/Europa & Musicologia, Colonia: ABE/ISMPS/IBEM 2000, 114-118.

----------. "Contextos, ambiente e prática de execução (1973)", ibidem,173-180.

----------. "Continuidade da tradição e prática de execução (1973), ibidem, 180-186

----------. "Francisco Curt Lange: 80 anos", Boletim da Sociedade Brasileira de Musicologia 2 (1985), 47-67

Della Monica, L., "Über Tänze der Congos und Congadas", in A.A.Bispo, Beiträge über christliche Volkstraditionen und synkretistische Erscheinungsformen religiöser Überlieferungen in Brasilien, Musices Aptatio Liber Annuarius 1989/90, Roma-Colonia, 1996,  186-190

Freitas Reis, S. L., "Os estudos de musicologia na Universidade Federal de Minas Gerais", Anais do II Congresso Brasileiro de Musicologia, Colonia/São Paulo: SBM/ISMPS, 36-41

Pereira de Tugny, R. "Zu: Memoria und Musik bei identifikatorischen Prozessen in kulturanthropologischen Experimenten eines interkulturellen Labors", in A.A.Bispo (org.), Musik, Projekte und Perspektiven, Colonia: ABE/ISMPS, 2004, 322-324


Cronologia
dos trabalhos


1967. São Paulo e Poços de Caldas. Preparatórias. Relações entre História da Música e estudos de folclore: Quadrilhas mineiras. Conscientização da necessidade de superação de limitações disciplinares segundo categorizações do objeto de estudo.

1968. São Paulo. Fundação da organização de estudos interdisciplinares e de direcionamento a processos e transformações (Nova Difusão).

1968. Curitiba. Encontros com estudiosos de Minas Gerais. Questões de aculturações e inculturações.

1969. São Paulo. Abertura de série de eventos destinados à renovação teórica: Barroco e Colonial: processos e difusão. Festival „Barroco“ com a Secretaria de Cultura do Município.

1970. Belo Horizonte e Sabará. Encontro de Pampulha. Meios de comunicação e estudos mineiros.
1970. São Paulo Festival em parques e diferentes instituições. Série de conferências.

1971.São João del Rei. Encontros na Lyra Sanjoanense.Tradição e inovação. Tradições como processos e difusão.

1971. Ouro Prêto e Mariana. Encontro no Museu da Música. Arquivologia/museologia e difusão.

1972. São Paulo. Faculdade de Música e Educação Artística IMSP e Centro de Pesquisas ND. Minas Gerais sob a perspectiva dos estudos de processos culturais. Minas Gerais na Etnomusicologia e perspectivas etnomusicológicas do Barroco.

1973. Punta del Este. Encontro com Curt Lange: „O Barroco e o Colonial - processos e difusão“. Situação das pesquisas e das reflexões em contexto interamericano. Debate sobre as possibilidades de retorno de materiais ao Brasil.

1974. Início dos estudos de relações Minas Gerais-Europa. Levantamento de fontes e materiais em bibliotecas da Europa.

1975. Colonia. Início dos encontros europeus „Barroco e Colonial -  processos e difusão“. A.A.Bispo, M. Moreira, F. Curt Lange, S. Claro-Valdés, M. A. Alves Barbosa, professores alemães. Discussão européia do projeto Monumenta musicae sacrae brasiliensis.

1977. Maria Laach e Roma. Início dos trabalhos culturais em rêdes eclesiásticas e missionárias relativas a Minas Gerais através de organização pontifícia.

1979. Monteverde e outras cidades. Estudos de cultura alemã em Minas Gerais.

1980. São João del Rei, Ouro Preto, Mariana, Sabará. Encontros no âmbito de estudos de Recepção Cultural e preparativos de eventos internacionais.

1980. Colonia. Estadia de Curt Lange na Europa. Numerosas sessões da série „O Barroco e o Colonial: processos e difusão“.

1981. São Paulo. Participação de MG no Simpósio Internacional "Música Sacra e Cultura Brasileira" com conferências e apresentações de obras mineiras em primeira audição. Primeira exposição de partituras do passado colonial de Minas Gerais.

1981. São Paulo. Representantes de Minas Gerais na fundação da Sociedade Brasileira de Musicologia. Encerramento de trabalhos com encontro com Curt Lange.

1981. Mariana. I Encontro Internacional de Arquivística e Museologia da Música. Sociedade Brasileira de Musicologia, Sociedade Alemã de Musicologia e Departamento de Músico-Etnologia do instituto de pesquisas de organização pontifícia.

1981. Colonia/Leichlingen. Execução de obras mineiras dos séculos XVIII e XIX na Primeira Semana Brasil-Alemanha de Música/I Forum Brasil-Europa.

1982/83. Colonia e outras cidades alemãs. Estada de F. Curt Lange. Numerosas sessões da série „O Barroco e o Colonial - processos e difusão“.

1983. Leichlingen. Forum Brasil-Europa 1983. Renovação do Americanismo Musical. Relações transatlânticas e interamericanas.

1983. Utrecht, Würzburg e outras cidades. Execução de obras do passado mineiro.

1983/84. Colonia e São Paulo. Estudos de paradigmas teóricos de F. Curt Lange pelos seus 80 anos.

1984/85. Bruxelas e Colonia. Tratamento de temas mineiros por ocasião de simpósio sobre influências recíprocas entre a Europa e a América Latina da Comunidade Européia. Encontros com F. Curt Lange pela fundação do ISMPS. Discussão sobre os caminhos para a recondução de seus acervos a Minas Gerais.

1984/85. Paris, Bruxelas, Colonia. Encontros com Luis Heitor Correa de Azevedo. Releitura de pesquisas em Minas Gerais no âmbito do Centro de Pesquisas Folclóricas da Escola Nacional de Música a partir da década de 30.

1986. Monteverde e outras cidades. Prosseguimento de estudos de cultura alemã em Minas Gerais.

1987. São Paulo. Minas Gerais no I Congresso Brasileiro de Musicologia. Situação dos estudos e pesquisas mineiras, em particular na Universidade Federal de Minas Gerais.

1989/91. São João del Rei, Tiradentes, Congonhas, Ouro Preto, Sabará, Belo Horizonte e outras cidades. Atualizações de contatos, conhecimentos e preparatórias para o congresso de 1992.

1992. Rio de Janeiro. Participação de Minas Gerais no Congresso Brasileiro de Musicologia sobre questões de fundamentos na cultura e na pesquisa.

1995. Monteverde e outras cidades. Continuidade da série sobre cultura alemã em Minas Gerais.

1997/98. Monteverde e outras cidades. Trabalhos teuto-luso-brasileiros de preparação a eventos em Portugal.

1999. Colonia. Minas Gerais no Congresso Internacional "Brasil-Europa 500 anos: música e visões".  Estudos etnomusicológicos em Minas Gerais.

2000. Colonia. Colóquio da A.B.E. de reflexões sobre o Barroco no século XXI e Projeto "Alma Barroca" da saxofonista mineira Maria Bragança.

2002. Joanópolis. Minas Gerais no congresso de encerramento do triênio pelos 500 anos do Brasil. Tendências recentes dos estudos de expressões tradicionais de Minas Gerais/Encomendas de Almas.

2002. Paraty.  Museu de Arte Sacra. O Caminho do Ouro. Sessões e concerto do „Alma Barroca“.

2004. São Paulo. Teatro São Pedro. Análise de significados e resignificações de expressões culturais. Concerto do „Alma Barroca“.

2004. Rio de Janeiro. Fundação Rui Barbosa. Encontro da A.B.E. com a Academia Brasileira de Música. Concerto de M. Bragança e A.C. Magalhães.

2007. Diamantina, Serro, Barão dos Cocais, Caraça, Datas, Ouro Preto, Mariana, Santa Bárbara e outras cidades. Caminho Real. Questões culturais mineiras à luz de recentes tendências do debate teórico. Observações, atualização de contatos, conhecimentos e coleta de dados para estudos, trabalhos e publicações.

Cidades
locais de estudos



Alfenas

Alpinópolis

Alto Caparaó

Alvinópolis

Alvorada de Minas

Andradas

Antonio Carlos

Baependi

Barão de Cocais

Barbacena

Belo Horizonte

Caeté

Caldas

Camanducaia

Cambuí

Cambuquira

Caparaó
Caraça

Cassia

Caxambú

Conceição do Mato Dentro

Congonhas

Conselheiro Lafaiete

Cordisburgo

Datas

Diamantina

Extrema

Guaxupé

Itabira

Itabirito

Itajubá

Lagoa Santa

Lambari

Lavras

Machado

Matozinhos

Monte Sião

Nova Lima

Ouro Branco

Ouro Prêto

Paracatú

Passa Quatro

Patos de Minas

Poços de Caldas

Pouso Alegre

Prados

Prata

Sabará

Santa Barbara

Serro

Sete Lagoas

Tiradentes

Três Corações





Materiais
Apenas os disponíveis nos sites da A.B.E.
(em elaboração)

  1. Caminhos do ouro: Minas e Klondike. Aproximações a paralelos aparentemente impossíveis. Após 10 anos do colóquio de estudos interculturais do „Caminho do Ouro“ em Parati
    nos 450 anos do Rio de Janeiro

  2. A revalorização da época do ouro no Brasil nas suas inserções em contextos histórico-culturais dos anos 30. Lembrando fotos de Minas e do Rio de Peter Fuss (1904-1978)

  3. Leichlingen-São João del Rey (MG). Semana Alemã-Brasileira da Escola de Música/Deutsch-Brasilianische Musikschulwoche de 1982. Marco da Educação e Pesquisa Musical referenciadas pelo Brasil na Alemanha

  4. Lira de Orfeu, Maracatú e Viola. Dimensões antropológico-culturais de um símbolo na valorização de instrumento caipira. Pesquisas Antiguidade/Cristianismo repercutidas no Embú em interações com Ascendino Theodoro Nogueira

  5. Música sacra do tempo imperial na reconsideração do século da emancipação política do Brasil. Resgatando obras marginalizadas em exemplos de D. Pedro I , André Gonçalves Paixão, Pe. José Maria Xavier, Elias Álvares Lobo e Tristão Mariano da Costa

  6. A prática polifônica a cappella entre seu significado musicológico, prático-musical e a sua função no culto. Irradiações de meditação musical no tombamento das igrejas de São Francisco em São Paulo (1981)

  7. O Amor Divino na restauração católica francesa do século XIX e suas expressões no Brasil. Retomada em Paray le Monial de reflexões em Cordiburgo e Biribiri/Diamantina

  8. Música de conjunto desde o início e como princípio - pesquisa e prática no âmbito pedagógico:
    Aquarela Brasileira - Projeto Doce Harmonia. Conservatório Estadual Cora Pavan Capparelli, Uberlândia

  9. Da vida metálica à vida cultural. Capital Européia da Cultura Ruhr 2010 3: Schwerte e seus elos com o Brasil

  10. Maura Moreira: 50 anos na Alemanha (1959-2009) - O Canto da Terra

  11. Barroco Cossaco e Barroco Mineiro. Exercícios interculturais e interreligiosos de leitura e interpretação. Reflexões na igreja de Santo André de Kiev

  12. Canto litúrgico ucraino-católico na imigração e prática tradicional do cantochão no Brasil

  13. Francisco Magalhães do Valle (1869-1906) e César Franck (1822-1890). Da província de Minas à procura de projeção e a erudição franco-alemã de mediação belga

  14. São João del-Rei: Novas perspectivas para pesquisas histórico-musicais

  15. Serro: Chácara do Barão do Serro. Patrimônio cultural: causas da degradação e sustentabilidade

  16. Viagem cultural I: Estrada Real

  17. Caraça, Minas Gerais. Monumento de um projeto religioso-cultural

  18. Cordisburgo. Caminhos da veneração dos elos entre o Conhecimento e o Amor

  19. Diamantina. Ano Oscar Niemeyer. Museu-Casa Juscelino Kubitschek

  20. Itabira, MG: Museu - Antiga Câmara

  21. Viagem cultural I: Estrada Real

  22. Francisco Mário: Vida e obra

  23. São João del-Rei: Novas perspectivas para pesquisas histórico-musicais

  24. O órgão M. L. de Faveri da Catedral de Uberlândia

  25. Aspekte brasilianisch-europäischer Musikbeziehungen im 18. Jahrhundert

  26. Alma Barroca, uma gravação de Maria Bragança

  27. Recomenda de alma em Santana do Jacaré / Commendatio animae in Santana do Jacaré





 





















Fotos A.A.Bispo
© Arquivo A.B.E.

 

BRASIL-EUROPA
www.brasil-europa.eu
Organização de Estudos de Processos Culturais em Relações Internacionais (registrada em 1968)


Academia Brasil-Europa
de Ciência da Cultura e da Ciência
e institutos integrados ISMPS/IBEM

Dir. Prof. Dr. Antonio Alexandre Bispo

 
©

MINAS GERAIS

 

Portal Brasil-Europa      Revista     Contato     Convite     Impressum     Estatística     Atualidades